Ir para o conteúdo

Prefeitura da Estância Turística de Olímpia-SP e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura da Estância Turística de Olímpia-SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Flickr
Rede Social Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
DEZ
07
07 DEZ 2021
TURISMO
Estação Cultural de Olímpia será inaugurada em prédio restaurado da antiga Estação Ferroviária
enviar para um amigo
receba notícias
Novo espaço amplia a pujante vocação da cidade para o turismo e fortalece a cultura

Um dos principais projetos de restauro e resgate da história da Estância Turística de Olímpia será entregue para a população e visitantes. O prédio da antiga Estação Ferroviária agora é a sede da ECO – Estação Cultural de Olímpia. O novo atrativo chega para somar ao quadro de ações institucionais na área cultural da Prefeitura.

A Estação Ferroviária de Olímpia, que era pertencente à antiga FEPASA, funcionou até o ano de 1968, com trens e vagões em operação, e foi desativada com o surgimento das rodovias. Dos anos de 1920 até final da década de 1960, a Locomotiva transportou em grande parte o café, que ajudou Olímpia a se desenvolver. O local ficou cerca de 15 anos sem uso e, em 2019, começou a passar por obras para a reativação como um centro cultural.

A requalificação do complexo arquitetônico da antiga Estação, com a preservação e o restauro de características originais do prédio, abrigará exposições temporárias, além de simpósios, residências, aulas e mesas redondas que abordem questões relevantes da arte moderna e contemporânea. “A tradição agrícola e o impacto das transformações sociais e econômicas provocadas pelo desenvolvimento turístico são os dois fatores que determinam a estratégia de uma ação cultural intensa e permanente que contam a história de Olímpia. Por isso, estamos fazendo este resgate da área mais antiga do município, da época de sua fundação, preservando os marcos arquitetônicos e fortalecendo a cultura e o turismo”, afirma o Prefeito Fernando Cunha.

Com mais de 6 mil m² de área total e mil m² de área construída, a ECO conta salas administrativas, sala receptiva, uma pinacoteca, praça de alimentação, espaço para apresentações culturais, sala para exposições, entre outros. Além disso, a locomotiva que ficava no antigo Museu de História e Folclore foi restaurada e transportada para a estação, e ainda estão sendo instalados dois vagões antigos, nos quais em um haverá uma cafeteria e no outro, um espaço para exposição de fotografias e exibição de filmes históricos e antigos de quando a estação funcionava.

No âmbito cultural, o novo espaço visa estabelecer parcerias com instituições congêneres por todo o território nacional e enfatizar as relações e diálogos da arte moderna e contemporânea com a arte popular e todas as manifestações que encontram abrigo na tradição folclórica. “Esse conceito artístico que dialoga com a cultura, artesanato e o folclore, permite ações e reflexões acadêmicas, em especial com a antropologia, a filosofia, além de incentivar o turismo e demais componentes da chamada economia criativa”, destaca Cunha.

Exposições inaugurais
Para a inauguração do complexo cultural, com curadoria de Marcus Lontra são apresentadas três exposições: obras inéditas de Flávio de Carvalho, um conjunto significativo de pinturas de José Antônio da Silva e uma grande mostra de arte contemporânea.

O feminino em Flávio de Carvalho reúne 40 obras, entre desenhos, gravuras e pinturas nunca antes apresentadas ao público, que buscam acentuar a presença do feminino na trajetória de Flávio de Carvalho (Barra Mansa, RJ, 10 de agosto de 1899 — Valinhos, SP, 4 de junho de 1973). Nessas figuras de mulher, seja em retratos ou figuras agrupadas, percebe-se a sensualidade e a beleza construída com gestos e pinceladas velozes e vigorosas. Segundo o curador Marcus Lontra, Flávio é um artista do mundo moderno, da velocidade, do traço criativo e imediato; muito mais do que uma mera cópia do real, o artista busca a verdade das coisas e dos seres. “Vale a pena mergulhar no universo poético de um dos mais importantes artistas brasileiros para perceber a real capacidade da arte de transformar, inovar e criar imagens e paisagens de intensa beleza e originalidade”, completa.

Coração Brasileiro, coerente com o compromisso de valorização da arte popular, traz 30 obras do mais importante pintor Naif brasileiro, José Antônio da Silva (Sales de Oliveira SP 1909 - São Paulo SP 1996) sob a supervisão do professor Romildo Santana. Segundo ele, "sua vida e arte desenham o emblema gritante do sem-terra, do sem-teto, do sem-nada. À moda dos artistas populares, incorporando um ardente romantismo, fez de sua existência, arte; de sua arte, vida." Em diálogo com o mestre, um pequeno grupo de pinturas de Edgar Calhado, amigo do artista e natural de Olímpia, permite um sensível diálogo artístico. Para o curador Marcus Lontra é oportuno trazer este pintor para marcar a abertura da ECO. “Em sua obra, Silva soube retratar as transformações da mata em lavoura e do campo em cidade”.

Arte: Várias Paisagens, exposta no antigo galpão de cargas, traz uma grande mostra de arte contemporânea, com 55 obras. O local será um espaço voltado para a “surpresa, para a inquietude e fantasia", como define o curador. Reúne artistas de várias gerações e vertentes artísticas acentuando a diversidade estética do mundo atual. “Nesse quadro vale a pena perguntar: o que é a paisagem contemporânea? Qual o seu potencial e quais os seus limites? Qual a sua pertinência nesse confuso e difuso palco contemporâneo? " Arte: Várias Paisagens "objetiva inserir-se nesse diálogo com obras de artistas brasileiros de várias gerações e com abordagens diferentes sobre o tema”, ressalta Lontra.

A mostra foi subdividida em três setores. Segundo o curador, o primeiro, "Paisagem essencial" busca valorizar as matérias do mundo que habitamos. Amélia Toledo, Nazareth Pacheco e Manfredo Souza Neto apropriam-se de elementos minerais, da água, dos metais e dos fluidos com os quais o ser humano constrói e transforma a realidade da terra. No segundo segmento, "Paisagens interpretadas", artistas como Gilberto Salvador, Armarinhos Teixeira, Camile Kachani, Andréa Araújo, partem de referências da fauna e da flora para elaborarem artefatos que formam uma nova paisagem construída pelo saber, pela inteligência e pela sensibilidade humana. No último segmento, "Paisagem restaurada" Weimar Amorim, Fernando Lindote, Andréa Facchini, João di Souza, Francisco Faria e Sérgio Hélio restauram a tradição paisagística dando-lhe nova roupagem e visão prospectiva, provocando curiosas relações entre o que chamamos de real e o que consideramos fantasia. Por fim, completa Lontra, Paola Junqueira amplia os limites da ação artística projetando a idéia da paisagem para suportes e reflexões não tradicionais e Markos Dias usa as paredes externas da Estação Cultural de Olímpia para criar formas sensuais integradas à paisagem e à arquitetura.

Sobre o curador Marcus Lontra
Nasceu no Rio de Janeiro. Curador e crítico de arte, foi diretor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, do MAM-RJ, do Museu de Arte Moderna de Brasília e do MAMAM, em Recife. Foi Secretário de Cultura de Nova Iguaçu na gestão de Lindberg Farias. Como curador, atua nessa área desde 1983 realizando inúmeras exposições, no Brasil e no exterior, como por exemplo: “Oscar Niemeyer-Uma Invenção do Tempo”, montada nas cidades de Moscou, Santiago do Chile, Washington, Turim e Caracas (2008/09); “Franz Weissmann: Imagens da Imensidão” em São Paulo e Petrópolis; “Carlos Scliar: perfil e trajetória, no Rio de Janeiro” (2010), são algumas realizadas nos últimos anos. Como crítico, tem publicados textos analíticos sobre vários artistas em catálogos, livros e jornais. Desde 2006 vem se dedicando a programas educativos para as artes visuais, sendo convidado por instituições de todo o país, para palestras e a aplicação desses programas educativos. Curador geral do Prêmio CNI SESI SENAI Marcantonio Vilaça para as artes plásticas de 2013 a 2020.

Estação Cultural de Olímpia
Inauguração: 15 de dezembro, às 20h
Visitação: de terça a domingo, das 15h às 21h
Endereço: Rua Coronel José de Medeiros, 477 – Patrimônio de São João Batista Estância Turística de Olímpia – São Paulo
Seta
Versão do Sistema: 3.2.2 - 02/05/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia